logoSintesp

SINDICATO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO ESTADO DE SÃO PAULO


Ética, competência, dignidade e compromisso com a categoria


Bem-vindo, segunda-feira, 23 de outubro de 2017.

Logo Fenatest Logo Força Sindical
05/03/2014

Força Sindical fará seminário sobre meio ambiente


Evento será antes da COP-20 (Conferência da ONU), em novembro, no Peru

 

A Força Sindical fará um seminário para debater a área do meio ambiente. A decisão de realizar o evento foi tomada em reunião entre Hebert Passos, secretário nacional de Meio Ambiente da Força Sindical, e o presidente da Central, Miguel Torres.


Antes deste evento que ainda não tem data estabelecida, as estaduais da Força Sindical, federações, confederações vão responder um questionário sobre questões ligadas a mudanças climáticas. A Central deve elaborar um documento balizador do pensamento da Força Sindical sobre o tema. “Uma delegação da Força Sindical deve participar da COP-20 (Confederação da ONU sobre Mudanças Climáticas, em novembro, no Peru”, informa Lélio Falcão, secretário do Meio Ambiente da Força Sindical-RS.


A COP 20 ocorrerá às vésperas do novo acordo climático global a ser firmado em 2015, em Paris, com novas metas de redução de emissões de gases de efeito estufa para todos os países. Em teoria, será um acordo decisivo para tentar conter a elevação da temperatura da superfície terrestre em 2 graus Celsius.


Os Sindicatos começaram a participar das reuniões sobre o meio ambiente com timidez há vários anos. Na COP-19, em Varsóvia eram aproximadamente 100 pessoas, a maior parte ligada a CSI (Confederação Sindical Internacional). “A participação dos trabalhadores no debate é importante porque existem possibilidades de mudanças nos processos de produção e na vida dos trabalhadores.


Há anos, técnicos e vários organismos internacionais e nacionais debatem os efeitos da evolução da tecnologia e, nos últimos tempos, também os impactos das mudanças climáticas, ou seja, todas as profissões que se liguem a produção de energia suja (queima de carvão; queima de óleo; produção de lenha); mineração; algumas culturas agrícolas; processos industriais com grandes consumos energéticos, de água e que produzam resíduos, etc.


As novas profissões seriam ligadas a produção sustentável; reciclagem e reaproveitamento; todas as áreas que exijam "ligações pessoais e empatia", tais como ensino, eventos, turismo, saúde, etc.

 

FONTE: Assessoria de imprensa da Força Sindical

Voltar para Notícias