logoSintesp

SINDICATO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO ESTADO DE SÃO PAULO


Ética, competência, dignidade e compromisso com a categoria


Bem-vindo, sexta-feira, 18 de agosto de 2017.

Logo Fenatest Logo Força Sindical
02/03/2015

Trabalhadores realizam atos em frente as superintendências do trabalho contra as MP 664 e 665


 

A Força Sindical, CUT, CTB, UGT, NCST e CGTB  realizaram hoje , em frente a Superintendência Regional do Trabalho em São Paulo, um ato reivindicando a revogação das medidas provisórias 664 e 665, que alteram as regras do seguro-desemprego, abono salarial, seguro-defeso, pensão por morte, auxílio-doença e auxílio-reclusão. Participaram da manifestação duas mil pessoas.



O protesto foi realizado no mesmo dia que entrou em vigor a restrição ao pagamento do seguro-desemprego em várias capitais e cidades do interior de SP. Na legislação anterior, o trabalhador tinha de trabalhar seis meses ininterruptos para receber o seguro. A partir de agora terá de trabalhar 18 meses nos últimos 24 meses anteriores à dispensa. E o segundo acesso  precisa trabalhar 12 meses nos últimos 16 meses anteriores à dispensa.



“Estas medidas representam um crime contra a classe trabalhadora. Por exemplo, quem não se enquadrar nestas normas não recebe o benefício. Nesta situação estão milhares de desempregados não receberão os beneficios,  justamente quando mais precisam de dinheiro para alimentação, moradia e transporte para procurar outro emprego”, declara Miguel Torres, presidente da Força Sindical.



Segundo o presidente da Força Sindical, o ato teve o objetivo de mostrar à sociedade a indignação dos trabalhadores que serão prejudicados com estas medidas. “Não podemos ficar calados e Março será um mês de manifestações contra as MPs 664 e 665”, afirma Miguel Torres.



Já João Carlos Gonçalves, Juruna, secretário-geral da Central, diz que os trabalhadores não aceitam pagar a conta da crise. “Não aceitamos que façam economia em cima do pobre, de quem está desempregado. Os mais prejudicados serão os comerciários e trabalhadores da construção civil que enfrentam alta rotatividade”.



Após o ato, o superintendente regional do Trabalho em São Paulo, Luiz Antonio de Medeiros, recebeu uma comissão de trabalhadores declarou: “se eu não fosse superintendente do trabalho estaria com vocês nas ruas”.



O superintendente lembrou que as rescisões dos trabalhadores que são demitidos com até um ano de empresa não são fiscalizadas. ‘É preciso fiscalizar. Existe o direito adquirido e o privilégio. É preciso acabar com os privilégios, com as distorções”, destacou.



Unidade

Durante o ato, os sindicalistas reafirmaram a unidade das centrais e a disposição de lutar contra as MPs. Para Danilo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical-SP, afirmou que ficou surpreso a edição das MPs e lembrou que no governo Lula houve alguns avanços para os trabalhadores e não teve perda de direitos.  



“O objetivo principal é mostrar à sociedade que os trabalhadores não querem, não devem e não vão pagar a conta dos desmandos deste país”, disse Sergio Luiz Leite, Serginho, presidente da Fequimfar.



Jorge Nazareno, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco, enfatizou que lutar contra as MPs é uma obrigação. “Mas não devemos esquecer que nos últimos anos os trabalhadores conquistaram ganhos”, ressaltou.



“O que está acontecendo é uma vergonha, é uma barbárie contra a classe trabalhadora”, ressaltou Geraldo Gonçalves Pires, diretor da Fetiasp (Federação dos Trabalhadores das Indústrias da Alimentação do Estado de S. Paulo).


“Não aceitamos que mexam nos nossos direitos”, declara Valéria Cabral, diretora do Sindicato das Costureiras de SP.

 

José Lião de Almeida, presidente do SinsaudeSP disse: '' o ato demonstra à presidente Dilma a insatisfação da classe trabalhadora com as medidas que restringem direitos na concessão do auxilio-doença, pensão por morte, seguro-desemprego, abono e período de defeso dos pescadores''.

 

Voltar para Notícias