logoSintesp

SINDICATO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO ESTADO DE SÃO PAULO


Ética, competência, dignidade e compromisso com a categoria


Bem-vindo, quarta-feira, 23 de agosto de 2017.

Logo Fenatest Logo Força Sindical
02/01/2014

Trabalho Decente: promotor do desenvolvimento


BRASÍLIA (Notícias da OIT) – O Trabalho Decente é promotor do desenvolvimento e bem estar, protetor da dignidade humana e condição para o exercício da cidadania. A afirmação foi feita hoje (13) pela Diretora do Escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil em palestra durante seminário "O Mundo do Trabalho e o Mundo do Trabalho dos Jornalistas", organizado pela Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) em parceria com a Federação dos Jornalistas da América Latina e Caribe (FEPALC) e com a Federação Internacional dos Jornalistas.



A Diretora da OIT fez a palestra intitulada “Trabalho Decente”, na qual mostrou como a Agenda de Trabalho Decente, lançada pela Organização em 1999, e que se constitui no ponto central de seu trabalho, vem-se consolidando ao longo dos anos. “O trabalho é a via fundamental para a superação da pobreza, das desigualdades e da exclusão social e uma das formas mais diretas pelas quais o desenvolvimento pode favorecer as pessoas”, disse Laís Abramo, lembrando que no Brasil 77,3% da renda das famílias advém do trabalho.



Entre as famílias mais pobres esse percentual é de 62% e nas famílias mais pobres do Nordeste, de 59%.



O Brasil apresentou avanços muito significativos na última década, tais como redução da pobreza e da desigualdade social, diminuição do desemprego e aumento da formalização do mercado de trabalho, aumento dos rendimentos do trabalho e extensão da proteção social.



Isso, de acordo com a Diretora da OIT no Brasil é resultado de fatores como uma estratégia de desenvolvimento inclusivo (políticas de caráter redistributivo), integração de políticas (econômicas/proteção social e mercado de trabalho); manutenção dos equilíbrios macroeconômicos; efeitos dos programas de transferência condicionada de renda (Bolsa Família/Brasil Sem Miséria); crescimento e formalização do emprego e política de valorização do salário mínimo.



Fonte: OIT Brasil

Voltar para Notícias